NOSSA CIDADE

Vera – MATO GROSSO
Síntese histórica

 

A cidade de Vera foi o início do projeto de colonização da Sociedade Imobiliária Noroeste do Paraná (S.I.N.O.P), que mais tarde ficou amplamente conhecida simplesmente como Colonizadora Sinop.

No início da década de 1970, o proprietário da imobiliária, Ênio Pipino, vindo do Paraná, comprou alguns lotes de terra em Mato Grosso. O primeiro foi denominado Núcleo Colonial Celeste 1, que foi dividido em três partes. À 1ª parte deu o nome de Vera, à 2ª de Santa Carmem e à 3ª, de Sinop. Alguns anos depois adquirindo mais uma área, chamou de Núcleo Colonial Celeste 2, que mais tarde parte dele se tornou a cidade de Cláudia, assim finalizando a 4ª parte do projeto Núcleo Colonizador Sinop, no médio norte mato-grossense.

Em documento, a Colonizadora explica que os nomes femininos da Gleba Celeste, foram dados por Ênio Pipino e um de seus diretores, João Pedro Moreira de Carvalho. Este último, pensou inicialmente em fazer uma analogia com o primeiro nome dado ao Brasil “Ilha de Vera Cruz”, uma vez que Vera também estava sendo construída numa região desconhecida e foi o primeiro marco de colonização de toda uma região. Então junto a isso veio também a vontade de homenagear as mulheres trabalhadoras do campo.

“Tudo nasceu da mente inspiradora de Ênio Pipino e João Pedro Moreira de Carvalho, preocupados com o convício dos seres humanos e, dentro da pureza de sua criação, sensibilizaram a todos àqueles propensos a um ideal de interesse comunitário, e espírito público, de senso do trabalho e do dever, de concepção correta da responsabilidade de ser útil e prestativo, determinando: que todo loteamento da Gleba Celeste, as cidades, estradas, córregos, ribeirões e os bairros recebessem nomes de mulheres e que passariam a fazer parte integrante da história do trabalho colonizatório da Colonizadora Sinop S.A; isto em homenagem à mulher que, anonimamente presta grandes serviços às comunidades rurais brasileiras. As mulheres, dentro da pureza de sua criação do bem familiar, contribuem, dão significado e tornam possível a visão de um futuro de paz e progresso”.

REF: (Colonizadora Sinop, “História da Gleba Celeste”. Destacado também no livro, “Vera a Princesinha do Nortão”, de Alexandre Panosso Netto. Pg. 47).

 

Obviamente como se vê no início do texto, Sinop foi batizada com a sigla da empresa povoadora (Sociedade Imobiliária NOroeste do Paraná).

Vera foi inaugurada em 27 de junho de 1972, mas elevada à categoria de distrito de Chapada dos Guimarães em 29 de junho de 1.976, pela Lei nº 3.755. Depois, pela Lei nº 4.156 de 17 de dezembro de 1979 tornou-se distrito de Sinop.

Uma figura histórica e ícone desta colonização é o padre Antônio Heidler, pessoa que em 1973 levantou a primeira igreja de todos os projetos de colonização de Ênio Pipino, ele foi o principal personagem da reivindicação pela emancipação do município já tendo tentado outra vez antes de conseguir definitivamente.

O Jesuíta chegou em Vera no dia 18 de março de 1973, acompanhado pelas Irmãs missionárias, Maria Sturmia, Maria Dorotéia, Maria Ada e Maria Adelis. Elas trataram de cuidar da educação e saúde no local. Assumiram a direção da Escola Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e do Hospital Maria Auxiliadora.

Irmã Adelis, especificamente na saúde, ficou muito conhecida e fez com que o hospital se tornasse referência no tratamento de Malária na região norte do Estado, em Vera não se contraia a doença, mas muitas pessoas vinham de Peixoto de Azevedo, Matupá, Alta Floresta e demais cidades do extremo norte para se tratar ali.

Já o padre, era além de orientador da fé católica, também tido como autoridade na região, pioneiros contam que era ele quem organizava tudo na cidade, inclusive recebia e fazia uma espécie de entrevista com as pessoas que chegavam à Vera, questionando-as e depois mostrando como as coisas funcionavam.

Falecido em 14 de fevereiro de 1987, seu corpo foi e está sepultado em frente à igreja que construiu e decorou com quadros e imagens de madeira esculpidas por suas próprias mãos. Por ser a primeira de toda região, a CAPELA PADRE ANTÔNIO, foi tombada como patrimônio histórico e cultural de Mato Grosso, conforme a portaria 013/2013. Ela situa-se ao lado da igreja católica, São Judas Tadeu.

O desenvolvimento econômico se deu com a mistura de várias culturas, pessoas das mais diversas descendências como alemães, portugueses, japoneses, italianos, austríacos, libaneses e outros tantos brasileiros fazem parte da cultura de Vera. Quando chegaram plantaram inicialmente Café, mas a crise cafeeira no Brasil fez com que outras cultivares fossem exploradas como: Abacaxi, Abóbora, Algodão, Arroz, Amendoim, Banana, Batata, Guaraná, Borracha, Cana-de-Açúcar, Coco da Bahia, Feijão, Girassol, Laranja, Limão, Mamão, Maracujá, Mandioca, Melancia, Milho, Palmito, Pimenta do Reino, Sorgo, Tangerina e Tomate.

Contudo, como ainda não haviam informações principalmente sobre o solo e suas necessidades, muitas pessoas desistiram da agricultura, algumas frustradas voltaram para seus Estados natal, mas outras migraram para a atividade de exploração vegetal, principalmente extração de madeira, assim deu-se o crescimento da economia neste ramo, e, durante muitos anos esta foi a principal atividade. Que depois deu lugar prioritário para a agricultura.

A emancipação político-administrativa de Vera, ocorreu com a Lei Estadual nº 5.003 de 13 de maio de 1986, criada pelas bancadas do PDS e PMDB da Assembleia Legislativa, e posteriormente foi sancionada pelo então governador Júlio Campos.

A primeira eleição na cidade ocorreu em 15 de novembro de 1986, quando um fato interessante e incomum aconteceu, pois, dois candidatos do mesmo partido disputaram a eleição. A coligação única era formada pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e Partido Liberal (PL).

Na CHAPA “A” José de Lima Cavalcante para prefeito e Armando Zimmer vice, e, na CHAPA “B”, Luiz Fortunato Matias, prefeito e Nivaldo Anjos Lopes, vice.

O vencedor foi José de Lima com 1.138 votos contra 748 do adversário.

“Zé Barbudo”, como também era conhecido José de Lima, governou a cidade por apenas dois anos (1987/1988), o chamado mandato tampão, pois quando houve a eleição os demais prefeitos já estavam governando há dois anos.

No dia 14 de janeiro de 1987 ocorreu a 1ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal, quando foram eleitos sete vereadores, mas logo na próxima eleição já foram eleitos nove parlamentares e isso segue até os dias de hoje.
 

TEXTO: Elizeu Teixeira – Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Vera – Mato Grosso.

 

PREFEITOS DAS NOVE GESTÕES DE VERA.
1987/1988 – Prefeito - José de Lima Cavalcante “Zé Barbudo”, e vice Armando Zimmer
1989/1992 - Prefeito - Oraci João Bianchini Moro e o vice, Manoel Messias Sales
1993/1996 - Prefeito - Dorlei Rodrigues de Freitas e o vice, Odemir Passador
1997/2000 - Prefeito - Isani Luiza Konerat e o vice, Oraci João Bianchini Moro
2001/2004 – Prefeito - Isani Luiza Konerat e o vice, Benício Boeing
2005/2008 - Prefeito - José Nilton dos Santos “Niki” e o vice, Paulo Sergio Araújo
2009/2012 – Prefeito - Moacir Giacomelli e o vice, Manoel Divino Pereira Terto
2013/2016 – Prefeito - Nilso José Vígolo e o vice, José Nilton dos Santos.
2017/2020 – Prefeito - Moacir Giacomelli e o vice, Marcelo Alves da Costa.

 

** Mais informações e detalhes aprofundados sobre a história e seus pioneiros, podem ser encontrados no livro “Vera a Princesinha do Nortão”.


FONTES:
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.
Governo do Estado de Mato Grosso
Colonizadora Sinop
Prefeitura Municipal.
Câmara Municipal de Vera.
Livro, “Vera a Princesinha do Nortão”. Ano 2000. De Alexandre Panosso Netto.



VERA EM 2018

A clareira aberta em meio a mata há 46 anos atrás (27 de junho 1972), foi elevada à categoria de distrito de Chapada dos Guimarães, em 29 de junho de 1.976, pela Lei nº 3.755. Cerca de três anos depois, pela Lei nº 4.156 de 17 de dezembro de 1.979 tornou-se distrito de Sinop e em 13 de maio de 1.986 tornou-se oficialmente município.

Hoje prestes a completar 33 anos de emancipação político administrativa, está amplamente interligada a todo país e ao mundo através dos diversos canais de informação e tecnologia.

Há 480 km da capital Cuiabá, o município tem como sua principal via de saída terrestre a rodovia estadual MT-225. Um trecho de 30 km totalmente asfaltado dá acesso à BR-163.

Com Área territorial de 2.953,978 mil km2, Vera já foi maior, mas em 1.995 foi desmembrado de seu território o distrito de Feliz Natal, hoje já município (50 km) ao leste. Além dele, Vera ainda faz divisa com os municípios de Sinop (80 km) a noroeste, Santa Carmem (40 km) ao norte, Nova Ubiratã (90 km) ao Sul e a sudoeste Sorriso (60 km). Distâncias referentes ao setor urbano de cada cidade.

Na educação pública conta com escolas municipais desde os Centro Municipal de Educação Infantil (CEMEI), até o ensino fundamental. Além disso, uma escola estadual e outra escola particular. No ensino superior recebe algumas unidades de estudo à distância e o município ainda fornece apoio financeiro para acadêmicos que estudam nas faculdades da cidade vizinha de Sinop. 

A saúde pública conta com uma unidade de Pronto Atendimento (P.A) e duas Unidades Básicas de Saúde (UBS), no perímetro urbano. 

Economicamente o município vive a ampla expansão do setor agropecuário. Pois com a escassez da madeira, a agricultura começou a ser difundida, sendo hoje, junto com a pecuária a principal base da economia do município.

O destaque é o cultivo em larga escala da Soja, que segundo a Empresa Mato-grossense de Pesquisa e Extensão Rural (EMPAER), tem plantio estimado de 161 mil hectares. O Milho ocupa cerca de 120 mil hectares. Na sequência vem o Feijão com algo em torno de 7.600 mil hectares e o Arroz com 5 mil hectares.

Ainda existem atividades como criação de bovinos de corte e leiteiros, ovinos, suínos; e os galináceos e a agricultura familiar pautada na produção de hortaliças, frutas, leite e seus derivados. Hoje a maior parte desses produtos vem de dois assentamentos rurais existentes no município.

TEXTO: Elizeu Teixeira – Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal de Vera – Mato Grosso.
 

MAIS DADOS:
População estimada 2018:
11.216 pessoas (IBGE).
Área Territorial 2018: 2.953,978 mil km2 (IBGE).
Densidade demográfica 2010: 3,75 hab/km2 (IBGE).
Eleitores: 6.582.
Zona Eleitoral: 036 – Vera/MT
Prefeito gestão 2017/2020: Moacir Giacomelli.
Vice-prefeito gestão 2017/2020: Marcelo Alves da Costa.

Localização:
O Município está localizado na Mesorregião: 127, Microrregião: 524 – Sinop – Norte Mato-grossense.

Coordenadas Geográficas:
Latitude: 12º17’07” Sul, Longitude: 55º 17’47” Oeste Gr.

Clima Predominante: Equatorial quente e úmido.
Período de Seca: De maio a outubro
Período de chuva: Precipitação anual de 2.250mm, com intensidade máxima de novembro a abril.
Aeroportos mais próximos: Sorriso/MT há cerca de 50 km e Sinop/MT cerca de 85 km.

 

FONTES:
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.
Governo do Estado de Mato Grosso.
Colonizadora Sinop.
Prefeitura Municipal.
Câmara Municipal de Vera.

 

FOTOS Clique na foto para abrir